A conexão entre o público e as marcas

Por Julia Souza

Como as empresas e as agências enxergam a relevância foi o tema do último painel do III Influent Minds. Entre os pontos levantados, estavam marketing de influência, performance entre outros

Dia quase acabando, noite da premiação dos melhores influenciadores se aproximando, mas o público continuava firme para acompanhar o final do III Influent Minds. O último assunto a ser discuto foi “Relevância: como as marcas e agências entendem isso”, com a participação de Fernando Moraes, diretor geral da Cunha Vaz Brasil, Eduardo Stryjer, gerente de Novos Negócios da A2ad, Talita Lombardi, cofundadora da Influu, Diego Olavarria, gerente da Llorente Y Cuenca e Raul Porto, diretor de Serviço ao Cliente da Qualibest.

Durante o debate, Eduardo da A2ad levantou questões sobre a construção da relevância digital, que é estruturada a partir de três pilares: o primeiro é a análise de marca, na qual há uma avaliação do perfil do influenciador; já o segundo trabalha com o desempenho que nos remete ao alcance que o influenciador tem e, por último, a visão do público em relação ao influencer, que pode ser positiva ou negativa do mesmo.

Talita Lombardi iniciou sua apresentação mostrando um pouco sobre a sua empresa Influu que auxilia na criação de conteúdo para novos influenciadores, utilizando os espaços da empresa para coworking. A empresária comentou sobre uma nova forma de contratar influenciadores em suas campanhas, baseando-se em suas performances nas redes sociais.

“A relevância é situacional” lembrou Diego, da Llorente Y Cuenca, sobre as oscilações que dependem as avaliações de relevância. Ele explica a segmentação presente na relação entre o seguidor e seu digital influencer. Além de estabelecer um paralelo entre o uso de stories do Instagram com os vídeos do Youtube. Para Diego, a vantagem dos stories é que o alcance é maior, mas por pouco tempo.

Em sua apresentação, Raul, da Qualibest, revela alguns números detectados durante uma das pesquisas realizadas pela a empresa. Entre eles, estão: 76% dos seus entrevistados afirmam seguir pelo menos um influenciador digital. E as redes sociais mais utilizadas são: Facebook, 92%, YouTube, 90%, Instagram, 73%, Twitter, 31% e Snapchat, 23%.

A importância do fórum Influent Minds é promover o debate entre a relação das marcas com os influenciadores digitais, que agora são personagens significantes para o mercado. Uma das lições que fica durante o evento é como o poder de alcance e capacidade de aderir os influenciadores digitais já é algo comum no mundo dos negócios.