AGÊNCIA BLINK

  • LUSH MOTEL
  • Resumo: Diferentemente do que muita gente pensa, os motéis não foram criados no Brasil com a intenção de facilitar encontros amorosos. O termo foi criado nos Estados Unidos, por volta da década de 20, e vem do significado “motor + hotel”, em outras palavras, “hotel econômico à beira da estrada”, estabelecimento criado a fim de atender os viajantes que passavam horas nas estradas americanas. Os “Love Hotels”, modelos de hospedagem nos quais os motéis no Brasil são confundidos, surgiram no Japão entre 1600-1868. O país possui mais de 30 mil empreendimentos do ramo, que movimentam por volta de 80 bilhões de reais na economia japonesa. Já no Brasil, o primeiro motel com a finalidade amorosa foi inaugurado em Itaquaquecetuba – região metropolitana de São Paulo (SP) – no final da década de 60, em plena ditadura militar. Isso deve-se ao fato de que, na época, havia uma lei que proibia hospedagens de curta permanência, portanto, o estabelecimento teve que “maquiar” suas atividades para poder funcionar. Com o novo conceito espalhando-se rapidamente pelo Brasil, a lei que proibia essas estadias foi abolida, e os motéis tiveram, entre os anos de 1970-1990, uma fase de crescimento significativo, causando alta rotatividade e ganhos consideráveis aos proprietários desses negócios. No entanto, a partir de 1994, ocorreu uma crise no setor. Muitos motéis deixaram de lado o investimento na estrutura, tornando-se negócios não lucrativos. E o preconceito existente na época causava em alguns proprietários o receio e a vergonha de dizer que eram donos de motel. Segundo estudo realizado pela empresa ZEAX Expertise em Motéis, esse segmento movimenta financeiramente em torno de R$ 4 bilhões por ano, hospeda por volta de 100 milhões de hóspedes por ano e emprega mais de 250 mil trabalhadores. Há expectativa de que até 2020 o segmento de motéis no Brasil cresça 27% e movimente por volta de R$ 10 bilhões por ano.